Sobral cumpre metas do Índice de Qualidade do Meio Ambiente

Em 2012, o prefeito Veveu recebeu a certificação de Município Selo Verde de Sobral das mãos do presidente do CONPAM, Paulo Lustosa.

Como resultado do trabalho de sustentabilidade realizado em Sobral, a partir de 2016, o Município receberá repasse do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) pelo Governo do Estado. O benefício foi conquistado graças ao cumprimento de quatro, entre as cinco metas do Índice de Qualidade do Meio Ambiente (IQM) referente ao ano de 2014.

O resultado foi definido a partir de visitas realizadas por técnicos da Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema). Eles analisaram requisitos como a implantação da estrutura operacional definida pelo Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Sobral (PGIR2S), implantação de coleta sistemática, apresentação e instalação de Licença de Operação válida para a disposição final dos resíduos sólidos urbanos, como o aterro sanitário.

“Sobral é uma cidade diferenciada. Diariamente percebemos que as pessoas estão utilizando cada vez mais os espaços públicos de forma correta e valorizando o meio ambiente. Esse resultado do IQM relativo a 2014 mostra o compromisso da gestão em trabalhar de forma integrada a questão da valorização do meio ambiente”, explicou o secretário de Conservação e Serviços Públicos (Seconv), Jorge Trindade.

De acordo com o Secretário, a meta para 2015 é encaixar Sobral entre os primeiros colocados a atender a todos os requisitos exigidos pelo IQM. “Estamos trabalhando para que a nossa próxima premiação seja ainda mais favorável com a implantação da coleta seletiva que foi feita neste ano, e atualmente atende mais de 18 bairros e seis distritos da cidade, fazendo com que várias famílias diminuam os riscos de doenças com a eliminação dos resíduos e reduzam suas contas de energia, através da parceria com o Ecoelce”, finalizou.

Aterro sanitário

Atendendo a Política Nacional de Resíduos Sólidos, Sobral é um dos cinco municípios cearenses que substituiu os lixões pelo aterro sanitário, dentro do prazo exigido. Até julho deste ano, dos 22 consórcios de municípios do Ceará formados para viabilizar a construção dos aterros, apenas cinco concluíram os projetos de execução. Outros oito municípios ainda estão em fase de elaboração de propostas e nove ainda não efetivaram o consórcio.